O paulista Gabriel Medina, 17 anos, voltou a mostrar que é mesmo o novo fenômeno do surfe mundial. Em sua primeira competição nos tubos mais desejados do planeta, já está classificado para as quartas de final do Billabong Pipe Masters, para provar ao mundo que não é um surfista só de aéreos.

Ele andou por dentro dos cilindros nas séries pesadas de 8 a 12 pés da última sexta-feira, em sua estreia vitoriosa contra o sul-africano Travis Logie. No último duelo do dia despachou um dos maiores especialistas em Banzai Pipeline e de ondas grandes, Shane Dorian. A etapa que fecha a temporada 2011 do ASP World Tour termina neste sábado para aproveitar este swell épico na ilha de Oahu.

“Foi uma bateria divertida aquela com três caras na água. Estou amarradão por estar aqui. Este é meu primeiro campeonato em Pipe e estou muito feliz. É incrível estar no outside aqui. Já estou aqui há um mês e ontem foi o primeiro dia que Pipe quebrou. Hoje é somente meu segundo dia em Pipe e ainda estou testando minhas pranchas. Ontem peguei algumas ondas e me sinto confiante. Espero pegar algumas melhores em minhas próximas baterias”, diz Gabriel Medina.

Gabriel Medina, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Kirstin.

Gabriel Medina prende as atenções em Pipeline. Foto: © ASP / Kirstin.

Com a classificação para as quartas de final no seu primeiro Pipe Masters da carreira, Gabriel Medina já subiu para o quarto lugar no ranking mundial unificado da ASP, que indica os 32 componentes para a divisão de elite do esporte. Com a vitória sobre Shane Dorian, ele ultrapassou de uma só vez o também paulista Adriano de Souza e o australiano Owen Wright. Esta é só a quinta etapa do ASP Tour que ele participa, mas ganhou duas e vai terminar 2011 como o melhor brasileiro no ASP World Ranking, atrás apenas de Kelly Slater, Joel Parkinson e Taj Burrow.

Havaiano nota 10 – Já o maior destaque do último desafio do ano nas grandes ondas da ilha de Oahu é outro adolescente que entrou na elite na rotação do meio de ano, o havaiano John John Florence, 19 anos. Ele é o recordista absoluto do campeonato e arrancou a sua segunda nota 10 nos tubos de Banzai Pipeline para derrotar os campeões mundiais Kelly Slater e CJ Hobgood com uma combination, que no surfe é como vencer de goleada, quando os adversários precisam de mais de 10 pontos para reverter o resultado, ou seja, de uma combinação de duas ondas.

Na repescagem, Slater também mostrou toda sua categoria de Pipe Master. Com um drop atrasado em uma esquerda da série, sumiu na cortina de água e reapareceu expelido pelo spray, para receber nota 9.83 na vitória sobre o havaiano Kalani Chapman, que substituiu o contundido Alejo Muniz na terceira fase.

John John Florence, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Kirstin.

John John Florence é o garoto nota 10. Foto: © ASP / Kirstin.

Essa nota foi para o quarto lugar na tabela de recordes do campeonato. Só John John Florence surfou tubos melhores do que este de Slater, recebendo duas notas 10 e uma 9.93. Nas quartas de final, o número 1 do mundo terá outro duelo com o líder da Triplice Coroa Havaiana, John John Florence.

O havaiano foi o melhor das três fases que disputou em Pipeline. Estreou na segunda rodada já ganhando sua primeira nota 10 para totalizar 18.07 pontos na quinta-feira de ondas gigantes. No segundo dia, começou vencendo por 19.10 pontos de 20 possíveis, com uma nota 9.93 no melhor tubo surfado na terceira fase. E na quarta, contra Kelly Slater e C J Hobgood, saiu a outra nota 10 e ninguém superou os 17.67 pontos nesta rodada de confrontos formados por três competidores.

Evan Valiere, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Cestari.

Evan Valiere exibe tranquilidade absoluta nas bombas de casa. Foto: © ASP / Cestari.

Vice-campeão mundial – John John Florence é o favorito para herdar o troféu da Tríplice Coroa Havaiana de Joel Parkinson, atual bicampeão desta competição especial, que aponta o melhor surfista nas etapas do Hawaii, que fecham a temporada. O australiano termina o ano como vice-campeão mundial pela quarta vez, igualando um feito do seu compatriota Cheyne Horan na Era Tom Curren / Tom Carroll. Parko também ficou perto do primeiro título em 2002, 2004 e 2009, sendo que esta é a primeira vez que o campeão é Kelly Slater.

Joel Parkinson vai abrir o sábado decisivo contra a fera Jamie O´Brien, havaiano que já tem um título de Pipe Master no currículo. Na chave de baixo, que vai indicar o segundo finalista, o taitiano Michel Bourez que está na briga pelo título da Tríplice Coroa Havaiana enfrenta outro convidado da ilha, Evan Valiere. E Gabriel Medina disputa a última vaga nas semifinais contra Kieren Perrow, vice-campeão do Billabong Pipe Masters em 2010.

Jamie O'Brien, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Kirstin.

Conhecido por performances bizarras em Pipe, Jamie O'Brien é o adversário de Joel Parkinson. Foto: © ASP / Kirstin.

Última vaga no G-32 – O australiano já está mais aliviado por ter conquistado a última vaga que ainda estava em jogo no grupo dos 32 surfistas que vão iniciar na elite do ASP World Title Race em 2012. Ele acabou tirando da lista o seu compatriota Kai Otton e o Brasil será representado pelos mesmos sete surfistas da segunda metade deste ano, os paulistas Adriano de Souza, Gabriel Medina e Miguel Pupo, o catarinense Alejo Muniz, o cearense Heitor Alves, o carioca Raoni Monteiro e o potiguar Jadson André.

Destes, só Medina e Mineirinho competiram na sexta-feira em Pipeline, que pelo segundo dia bombou ondas pesadas quebrando perigosamente sobre uma rasa e afiada bancada de corais. Felizmente ninguém se machucou gravemente. Enquanto Mineirinho foi batido pelo havaiano Jamie O´Brien no terceiro duelo do dia, no sexto Medina atropelou o sul-africano Travis Logie, derrotando-o com uma larga vantagem de 12.77 a 2.27 pontos.

Depois, o menino prodígio de Maresias perdeu para o taitiano Michel Bourez a primeira disputa por vagas nas quartas de final. Teria que encarar o experiente Shane Dorian na repescagem, mas Medina pegou dois tubos rápidos logo no início da bateria que acabaram lhe garantindo a vitória. O mar ficou difícil e após uma longa calmaria entrou uma das maiores séries do dia, com ondas enormes fechando tudo em Banzai Pipeline. Bom para Medina, porque o tempo foi passando e terminou sem o havaiano surfar nenhuma outra onda. O último placar do dia foi encerrado em 9.23 a 2.30 pontos, com outra vitória por combination da sensação do surfe brasileiro.

Gabriel Medina, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Cestari.

Quem disse que Gabriel Medina é surfista só de aéreos? Foto: © ASP / Cestari.

Billabong Pipe Masters 2011

Quartas de final

1 Joel Parkinson (AUS) x Jamie O´Brien (HAW)
2 Kelly Slater (EUA) x John John Florence (HAW)
3 Michel Bourez (TAH) x Evan Valiere (HAW)
4 Kieren Perrow (AUS) x Gabriel Medina (BRA)

Quinta fase

1 Joel Parkinson (AUS) 12.83 x 7.74 CJ Hobgood (EUA)
2 Kelly Slater (EUA) 16.80 x 14.63 Kalani Chapman (HAW)
3 Evan Valiere (HAW) 16.03 x 10.87 Taj Burrow (AUS)
4 Gabriel Medina (BRA) 9.23 x 2.30 Shane Dorian (HAW)

Quarta fase

1 13.93=Jamie O´Brien (HAW), 12.06=Joel Parkinson (AUS), 12.00=Kalani Chapman (HAW)
2 17.67=John John Florence (HAW), 8.50=Kelly Slater (EUA), 5.43=CJ Hobgood (EUA)
3 13.10=Michel Bourez (TAH), 10.84=Evan Valiere (HAW), 8.17=Gabriel Medina (BRA)
4 13.66=Kieren Perrow (AUS), 11.87=Shane Dorian (HAW), 7.83=Taj Burrow (AUS)

Kelly Slater, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Cestari.

Como sempre, Kelly Slater apresenta muita técnica de backside em situações extremas. Foto: © ASP / Cestari.

Terceira fase

1 Joel Parkinson (AUS) 7.34 x 5.03 Aamion Goodwin (HAW)
2 Kalani Chapman (HAW) 10.27 x 6.83 Dusty Payne (HAW)
3 Jamie O´Brien (HAW) 6.46 x 4.10 Adriano de Souza (BRA)
4 CJ Hobgood (EUA) 8.40 x 6.83 Julian Wilson (AUS)
5 John John Florence (HAW) 19.10 x 14.40 Damien Hobgood (EUA)
6 Kelly Slater (EUA) 9.50 x 3.56 Marcus Hickman (HAW)
7 Gabriel Medina (BRA) 12.77 x 2.27 Travis Logie (AFR)
8 Michel Bourez (TAH) 6.40 x 5.90 Adam Melling (AUS)
9 Evan Valiere (HAW) 16.14 x 15.67 Owen Wright (AUS)
10 Shane Dorian (HAW) 11.24 x 5.66 Jordy Smith (AFR)
11 Kieren Perrow (AUS) 18.73 x 11.60 Josh Kerr (AUS)
12 Taj Burrow (AUS) 8.93 x 5.36 Ian Walsh (HAW)

Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Kirstin.

Pipeline proporciona mais um dia de visual surreal. Foto: © ASP / Kirstin.

G-32 do ASP World Ranking para o Dream Tour 2012
(Pontuação atualizada, com substituição dos resultados do Pipe Masters 2010 pelos da sexta-feira no Hawaii)

1 Kelly Slater (EUA) – 62.950 pontos nas quartas de final
2 Joel Parkinson (AUS) – 49.350 nas quartas de final
3 Taj Burrow (AUS) – 48.450
4 Gabriel Medina (BRA) – 47.070 nas quartas de final
5 Owen Wright (AUS) – 46.150
6 Adriano de Souza (BRA) – 45.900
7 Julian Wilson (AUS) – 43.945
8 Jordy Smith (AFR) – 42.100
9 Alejo Muniz (BRA) – 38.050
10 Josh Kerr (AUS) – 37.370
11 Michel Bourez (TAH) – 36.850 nas quartas de final
12 Damien Hobgood (EUA) – 33.220
13 John John Florence (HAW) – 32.855 nas quartas de final
14 Mick Fanning (AUS) – 30.600
15 Jeremy Flores (FRA) – 30.320
16 Heitor Alves (BRA) – 30.145
17 Miguel Pupo (BRA) – 30.055
18 Adrian Buchan (AUS) – 27.030
19 Bede Durbidge (AUS) – 26.900
20 Raoni Monteiro (BRA) – 25.660
21 Brett Simpson (EUA) – 25.650
22 Adam Melling (AUS) – 25.450
23 Kolohe Andino (EUA) – 25.245
24 Tiago Pires (PRT) – 24.450
25 CJ Hobgood (EUA) – 24.300
26 Jadson André (BRA) – 23.640
27 Matt Wilkinson (AUS) – 23.600
28 Patrick Gudauskas (EUA) – 23.020
29 Dusty Payne (HAW) – 22.505
30 Travis Logie (AFR) – 22.325
31 Kieren Perrow (AUS) – 22.250 nas quartas de final
32 Taylor Knox (EUA) – 21.900
—–saíram da elite para o ASP Dream Tour 2012:
33 Kai Otton (AUS) – 21.650 pontos
34 Fredrick Patacchia (HAW) – 21.570
36 Chris Davidson (AUS) – 19.250
42 Daniel Ross (AUS) – 15.700
68 Dane Reynolds (EUA) – 8.620

Kalani Chapman, Billabong Pipe Masters 2011, Pipeline, Oahu, Hawaii. Foto: © ASP / Kirstin.

Kalani Chapman toma um eject daqueles. Foto: © ASP / Kirstin.